Resenhas

Psicose, de Robert Bloch

30 de janeiro de 2015

IMG_4542

Psicose foi escrito por Robert Bloch em 1959 e quando o cineasta Alfred Hitchcock deu de cara com este thriller eletrizante sobre o relacionamento doentio e psicótico entre mãe e filho comprou os 3 mil exemplares disponíveis e os escondeu em um galpão. O cineasta realmente sabe o que é manter um spoiler em segredo, hein?

divisor-darkside-vermelho

IMG_4525

Enredo e personagens

O livro – que deu origem ao filme e mais recentemente à série Bates Motel exibida pela A&E – se passa em uma cidadezinha de interior, mais especificamente na beira da estrada, onde fica o Motel da família Bates, dirigido por Norman e Norma, sua mãe. Ambos moram em uma casa em uma colina atrás do Motel. Norman é um homem de meia idade, caseiro e pacífico, seu único hobby e “tara” são os livros. Desde muito novo, Norman é tratado como um garotinho por sua mãe, que vive o censurando e superprotegendo. Por vezes ele discorda dela e tenta se livrar do seu domínio e manipulação, mas verdade seja dita, após tantos anos Norman não sabe viver sem estar debaixo da saia de sua mãe. Vivendo um relacionamento doentio de posse e ciúme, quase comparado ao Complexo de Édipo, era mesmo de se esperar que Norman acabasse solteiro e morando com a mãe para o resto da vida.

IMG_4531

“Ela sempre lhe ditara as leis, mas isso não queria dizer que ele sempre precisasse obedecê-las. As mães são às vezes dominadoras, mas nem todas as crianças se deixam dominar. nem todas as viúvas e nem todos os filhos únicos se emaranhavam nesse tipo de relação. A culpa era tanto dele quanto dela. Porque ele não tinha iniciativa”.

A narrativa alterna entre os pensamentos e a perspectiva de Norman, e os outros personagens, como a pobre Mary Crane. Mary é uma jovem desiludida com sua vida amorosa e profissional que um dia conhece um homem, Sam Loomis, em um cruzeiro e se apaixona perdidamente. O problema é que Sam vive em outra cidade e está tão atolado com as dívidas que herdou do falecido pai que mal consegue se sustentar, para se recuperar e poder casar com Mary, Sam trabalha duro dia e noite.

IMG_4529

Mary vê a sua chance de mudar o seu destino e ajudar Sam com suas dúvidas para finalmente poderem se casar quando lhe é entregue um pacote com 40 mil dólares para ser depositado no banco para um cliente da empresa em que trabalha. Quando todo esse dinheiro lhe é confiado em uma sexta-feira à tarde, Mary agarra a possibilidade de mudar sua vida e foge com o dinheiro.

IMG_4560

IMG_4563

Arquitetar um plano de fuga perfeito não é tão fácil assim, mas Mary estava decidida, ela fez uma longa viagem de carro para se encontrar com Sam. No meio do caminho, Mary resolve parar pra descansar e se recompor em um Motel de beira de estrada afinal, ela queria estar apresentável para se encontrar com Sam no dia seguinte. Mary se hospedou no Bates Motel. Lá ela conhece Norman e ele se oferece para fazer algo para ela comer em sua casa, já que estava chovendo e não havia nada nos arredores do Motel. Neste jantar, eles conversam um pouco e Norman, muito mal acostumado a ter companhia e a conversar com estranhos, começa a desabafar sobre sua mãe.

IMG_4575

Uma semana se passou e nem sinal de Mary no trabalho, seu chefe e sua irmã estão desesperados. Sua irmã Lila resolve ir procurar por Mary na cidade de Sam, é para onde ela imagina que a irmã deve ter ido. Então Lila, Sam e Arbogast, um investigador contratado pela empresa de Mary para reaver o dinheiro roubado, começam a seguir pistas do paradeiro de Mary e tentam desvendar o que pode ter acontecido com Mary e todo aquele dinheiro.

IMG_4537

IMG_4556

Minhas impressões

Confesso que já havia assistido ao filme (assistam ao trailer abaixo) muito tempo atrás então me recordava bem do enredo desta história, porém admito que ler o livro foi uma experiência totalmente diferente que eu recomendo pra todo mundo que gosta de um bom e velho clássico do terror. Psicose prende a atenção do leitor desde as primeiras páginas quando começa a descrever a relação doentia de Norman e Norma. Todos os mínimos detalhes da narrativa são levados em consideração e são extremamente importantes para a construção do temperamento do assassino. O filme e o livro são extremamente parecidos, inclusive, a adaptação foi muito bem sucedida. Não há necessariamente um suspense quanto aos assassinatos, eles são bem óbvios e bem no começo, o suspenso do livro é voltado ao estado psicótico dos personagens, o que os leva a fazer o que fazem, desvendar as características da personalidade do assassino e os seus motivos são a grande sacada dessa história. Para ser sincera, o foco do livro é o assassino e não a vítima.

A narrativa é muito fluída e corre solta o livro inteiro. Tomei fôlego e li o livro todo em uma “sentadinha”. Com isso, o que eu quero provar pra vocês é que a leitura desse livro é inebriante, pode ser lido em qualquer lugar a qualquer hora e com certeza vai capturar a atenção do leitor.

Uma das coisas que eu também achei interessante foi o último capítulo que serve quase como um fechamento oficial da história. O narrador nos explica através dos personagens e seus diálogos exatamente o que acontece por detrás do óbvio, ele vai afundo e nos explica as causas e os motivos do assassino. Achei sensacional!

A série mostra o Norman antes de se o Norman de Psicose, mostra a sua vida antes dos acontecimentos do livro/filme. Estou assistindo e recomendo muito, especialmente porque eles mantiveram um ritmo bem parecido com o do livro, onde um momento ou uma cena é mostrada de dois ângulos diferentes.

IMG_4518

IMG_4514

Este livro foi gentilmente cedido pela DarkSide Books através de parceria com o Nuvem Literária.

parceriadark

Editora: DarkSide Books 
ISBN:  9788566636154
Gênero: Triller / Terror
Páginas: 240
Adicione: Skoob
Minha avaliação: ★★★★★

já viu os relacionados?

Deixe seu comentário

Comente com o WordPress

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Luiza Morelli junho 18, 2015

    Nossa, nao gosto de livros de terror, mas essa resenha me chamou a atenção. Estou numa fase muito sem saber o que ler, já li tudo dos meu atores favoritos e fiz umas tentativas que foram frustradas. Nunca li livro de terror, mas super estou pensando em dar uma chance a esse. Já tive um namorado que tinha uma relação bizarra e doentia com a mãe, essas coisas geram muito curiosidade e esse é um tema que me assusta devido à essa experiência ruim. Gostei bastante do seu blog! Já leu Rainbow Rowell? é uma ótima sugestão, ela é fantástica! Beijos

    • Juliana Cirqueira junho 18, 2015

      Hahaha normal, eu também não gostava muito até ler alguns muito bons!
      Nossa, que situação complicada hein? 🙁
      Mas enfim, leia Psicose ou A Noite dos Mortos Vivos que são ótimos livros para começar a entrar nesse clima! hehe
      Sim sim, li o Eleanor & Park. Tem resenha dele por aqui, escrita e em vídeo. Amei <3
      Estou pra ler Fangirl há um tempão e ainda não tirei da estante.

      Beijos!

      • Luiza Morelli junho 19, 2015

        Fangirl é maravilhoso!! Já li todos os livros dela, mas este foi o primeiro. Quanto aos livros de terror/suspense, vou começar com Dark Places da Gillian Flyn (comprei hoje). Tô com medinho rs, mas me disseram que prende bastante e fiquei curiosa.

  • Clay fevereiro 4, 2015

    Eu ja assisti esse filme tantas vezes por causa da faculdade, mas ainda não li >.< #vergonha

    Adorei a resenha

    • Juliana Cirqueira fevereiro 4, 2015

      Oi Clay!
      A leitura é beeeeem mais legal, pelo menos eu achei!
      Se ler depois me conte o que achou.

      Obrigada! 🙂

  • Daniele Soares janeiro 30, 2015

    Oioi, Ju! 🙂

    Preparada para uma confissão? Nunca li livros de terror. Já acompanhei debates – sem nunca erguer a mão, é claro – e li diversos comentários sobre obras clássicas que originaram diversos contos de mistério e assombro, porém nunca me dispus a lê-los. Infelizmente, até 2014, prendi-me aos romances e bestsellers, sem mergulhar fundo em obras mais “clássicas” – salvo um ou outro caso, como Orgulho e Preconceito.
    Porém, com 2015, prometi que mudaria isso. Que me aventuraria e leria manuscritos das irmãs Bronte e demais obras (Crime e Castigo, Cândido, Moby Dick e afins…) e, com isso, passei a prestar mais atenção em posts relacionados a tais gêneros.
    E cá estamos nós: com sua resenha de “Psicose”. Prometo (seguindo a lista de perspectivas do ano novo! hehe) incluí-lo na minha lista de compras e lê-lo o quanto antes.
    Mais uma vez adorei o modo como você descreveu o enredo e os personagens, explicitando a conexão entre o Motel e a “ladra-loucamente-apaixonada”. Mal posso esperar para descobrir quem é o assassino ou a(s) vítima(s) (quais são as chances de Mary ser a verdadeira assassina após uma batalha contra o relacionamento doentio entre mãe e filho? Como uma tentativa de proteger a si mesma? Ou Norman, assumindo que não suporta mais as regras da mãe e decidindo libertar-se de forma definitiva? Ora, uma leitora pode – e deve – imaginar).
    Seus posts são incrívels, Ju – super fáceis de se ler, e repletos de informações (e nada de spoillers).

    Um abraço!,
    Daniele S.

    • Juliana Cirqueira fevereiro 3, 2015

      Oi Dani!
      Jura? Quase não acredito! HUEHUEHUE
      Não fica com medinho, vai, é super legal! 😀

      Garanto que você não vai ficar com medo lendo Psicose e vai adoraaaaar a leitura, que é super fluída, leve e cheia de detalhes incríveis. Os personagens e os diálogos são excelentes, dá pra ler super rápido de tão gostoso que é! Sério!

      Fico toda boba com comentários desse tipo, fico muito feliz que pense assim das resenhas, minha intenção é essa mesmo, não dar spoilers, mas dar as informações mais importantes e minha opinião de leitora. Bom que gosta! <3

      Beijos!

  • Raquel Moritz janeiro 30, 2015

    Oi Juju,

    Eu adoro esse livro. Acho super incrível ler ele sabendo o final, porque vc aproveita muito melhor os detalhes. Todos os diálogos são muito, muito bem pensados e dá pra ver que o Robert já tinha tudo planejado, porque não tem furos. 😀

    Baita dica pra compartilhar com os leitores do Nuvem. E QUE FOTOS LINDAS <3

    Beijos!!

    • Juliana Cirqueira fevereiro 3, 2015

      Oi Quelzinha! <3
      Sim, e ele é absolutamente melhor que o filme (pra mim, pelo menos).
      Eu adorei a experiência da leitura. 🙂

      Exatamente, não tem furos mesmo, haha.

      Obrigaaaaada! :* <3

  • Diego janeiro 30, 2015

    JUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU <3
    Que saudades de tiiiii, sua linda!

    Psicose, como eu amo! Uma das minhas melhores leituras de 2013 e que sem dúvida irei reler 😀
    Tuas fotos estão lindas, meu bem! E a resenha, perfeita! Esse "relacionamento" doentio entre mãe e filho é super curioso e o livro dá aquele medinho lá no fim da alma hahaha

    Um beeeeeijo, Di 🙂

    • Juliana Cirqueira fevereiro 1, 2015

      Oi Di, querido! <3

      Eu também AMEI esse livro! Virou queridinho da estante.
      Obrigada obrigada! Exatamente, eu achei que o livro traz esse relacionamento ainda mais latente do que o filme, o que causa esse medinho mesmo, rs.

      Beijão!

  • Your email address will not be published. Required fields are marked *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>