Resenhas

As Crônicas de Nárnia, C. S. Lewis

11 de junho de 2015

7

Existe um chamado que nos indica o caminho para alcançarmos grandes propósitos. É uma magia individual que nos mostra por quais motivos viemos a este mundo, quais são nossos verdadeiros papéis dentro dele. Conheça um pouco de Nárnia, uma terra onde diferentes chamados ecoam.

2

Tudo o que está entre o lampião e o castelo de Cair Paravel, cada riacho, montanha, bosque, tudo o que se encontra além dos mares ocidentais, da Calormânia a Telmar, faz parte do mundo de Nárnia. Um mundo habitado por ninfas, centauros, faunos, animais falantes e muitas belezas naturais. Sete crônicas narram as aventuras, os perigos e as conquistas de inúmeros protagonistas: O Sobrinho do Mago, O Leão A Feiticeira e O Guarda-Roupa, O Cavalo e Seu Menino, Príncipe Caspian, A Viagem do Peregrino da Alvorada, A Cadeira de Prata e A Última Batalha. Nelas acompanhamos como cada protagonista chega à Nárnia e o porquê disso. As idas e vindas entre o nosso mundo e a terra de Nárnia se iniciam quando duas crianças, Digory e Polly, são transportadas para outra dimensão ao colocarem em seus dedos anéis mágicos. Após se aventurarem em terras que nunca tinham visto acabam partindo para um lugar onde nada havia. Somente quando um majestoso leão surge entoando uma canção profunda é que Nárnia começa a ganhar vida.

O Leão andava de um lado para o outro na terra nua, cantando a nova canção. (…) À medida que caminhava e cantava o vale ia ficando verdade de capim. O capim se espalhava desde onde estava o Leão, como uma força, e subia pelas encostas dos pequenos montes como uma onda. Em poucos minutos deslizava pelas vertentes mais baixas das montanhas distantes, suavizando cada vez mais aquele mundo novo.

3

Nárnia foi criada por Aslam. Apesar de toda sua beleza Nárnia acaba sendo o lar não só de figuras iluminadas, mas também de personagens que vão espalhar guerras e sofrimentos. A começar pela grande e mais famosa vilã da história: A Feiticeira Branca. É dentro de seu inverno interminável que Lúcia, Pedro, Susana e Edmundo acabam tornando-se os protagonistas mais adorados dentre todos. A história de Nárnia também traz Shasta e Corin, Caspian, Eustáquio e Jill, Brejeiro, Rilian e Tirian como protagonistas. Cada um possui um papel fundamental para o desenrolar dos eventos que se sucedem em Nárnia. Embora sejam contos voltados para o público infantil as crônicas criadas por C. S. Lewis possuem grande interpretação. Nárnia é uma terra inigualável que transmite uma mensagem de fé, amor e esperança. Em meio a tanta magia, tantas criaturas místicas e grandes batalhas as crianças que ambientam os cenários narnianos precisam lidar, constantemente, com seus conflitos pessoais. Dúvidas sobre o que devem ou não fazer, ou sobre o que já fizeram, são esclarecidas com a orientação de Aslam. Elas conseguem compreender que mesmo em sofrimento é preciso acreditar em si mesmas para serem capazes de realizar o que seus corações mais desejarem.

Dizer o que teria acontecido? Não, a ninguém jamais se diz isso. Mas todos podem descobrir o que vai acontecer. Será difícil para você, querida, mas as coisas nunca acontecem duas vezes da mesma maneira. Todos nós já passamos momentos difíceis em Nárnia.

4

Outro ponto muito marcante abordado nos livros é a questão de que tudo tem seu devido tempo. A cada crônica novos protagonistas são apresentados e aqueles que já estiveram em Nárnia e regressaram a ela posteriormente, precisam aceitar que o tempo delas lá terminou. Devem seguir com suas vidas, trilhar novos caminhos e encontrar, no mundo em que vivem, a mesma beleza e encanto que habita Nárnia, por mais difícil que seja.

– Nosso mundo é Nárnia – soluçou Lúcia. – Como poderemos viver sem vê-lo?

– Você há de encontrar-me, querida – disse Aslam.

– Está também em nosso mundo? – perguntou Edmundo.

– Estou. Mas tenho outro nome. (…) Foi por isso que os levei à Nárnia, para que, conhecendo-me um pouco, venham a conhecer-me melhor.

5

Porém, mesmo diante de uma partida, todos aqueles que viajaram para Nárnia uma vez entendem, ao final de todas as crônicas, que todo adeus pronunciado por elas foi uma despedida temporária. Claro, houve um tempo determinado para tudo, mas adeus não é uma palavra definitiva em Nárnia. Um reencontro é certo. Essa ideia é reconfortante e nela é possível encontrar força para seguir em frente diante das despedidas que a vida proporciona.

6

As Crônicas de Nárnia é uma série de livros de fantasia escrita por C. S Lewis. Nelas são contadas as histórias de diferentes crianças que, diante de grandes desafios, crescem e entendem o valor que elas mesmas têm e o valor de tudo aquilo que as cerca. Não importa se as crônicas estejam em volume único ou separadas, pois é possível encontrá-las nas duas versões. As aventuras permanecem. As Crônicas de Nárnia também já foram adaptadas em peças teatrais e para os cinemas, sendo que as adaptações de O Leão, A Feiticeira e O Guarda-Roupa (2005), Príncipe Caspian (2008) e A Viagem do Peregrino da Alvorada (2010) são as mais conhecidas e mais brilhantes. Apesar de ser um mundo fictício, Nárnia é um lugar que clama por corações nobres. Corações como o seu.

1
Editora: Martins Fontes
ISBN: 85-336-2210-4
Gênero: Fantasia
Páginas: 750
Adicione: Skoob
Minha avaliação: ★★★★★

já viu os relacionados?

Deixe seu comentário

Comente com o WordPress

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Enza junho 13, 2015

    Que texto lindo! Até me emocionei aqui hahaha As Crônicas de Nárnia marcaram não só minha infância, como minha adolescência e juventude também. São histórias cativantes e cheias de significado, a escrita de C. S. Lewis é sensacional, essas crônicas são simplesmente maravilhosas <3

    • Raonny Bryan Metzker junho 13, 2015

      Olá, Enza! Fico muito feliz por ter gostado da minha resenha! Nárnia é um amor pleno e, assim como você, eu amo cada crônica. C. S. Lewis é brilhante! Por Nárnia e por Aslam ♥

  • Elba Regina junho 11, 2015

    Linda a resenha!!! Já começa arrasando com essa introdução! Eu já tenho o livro mas ainda não li. Fantasia não é meu gênero favorito mas tenho procurado ler de tudo, ampliar os horizontes. E penso que a beleza maior, no caso, está na analogia entre o mundo real e Nárnia, justamente como diz a resenha. Já deu mais vontade de ler. Parabéns!

    • Raonny Bryan Metzker junho 11, 2015

      Olá, Elba! Você, tentando ampliar seu campo de leitura, tenta assumir o verdadeiro papel de uma leitora e isso é mágico! Fantasia é meu gênero predileto, mas eu, diante de toda a “jornada” que eu venho trilhando ao ler livros, já ampliei minhas leituras e hoje aprecio a maioria dos gêneros literários (ou ao menos tento). Assim que possível inicie a leitura das Crônicas de Nárnia. Espero que esse mundo maravilhoso possa trazer para seu mundo particular entendimentos e muito amor ♥

  • Ágata Bresil junho 11, 2015

    To com o livro aqui na estante esperando pra ser lido. Adorei a maneira como você escreve suas resenhas, com as fotos bem originais e cativantes, da ainda mais vontade de comprar o livro. Ainda bem que este, eu já tenho hahaha.

    Beijos.

    Tudo Tem Refrão

    • Raonny Bryan Metzker junho 11, 2015

      Olá, Ágata! Obrigado! Muito obrigado por gostar das minhas resenhas e também as fotos! Eu acho, apenas acho (muito) que você deve iniciar o quanto antes a leitura dessas histórias que são únicas, originais, especiais e mágicas! ♥

  • <3 A série mais perfeita de TODAS! Amo Nárnia, C.S Lewis é um grande escritor, não tem comparação!!

    • Raonny Bryan Metzker junho 11, 2015

      Sim, Yasmin! C. S. Lewis escreve brilhantemente! Não há nada que se compare à Nárnia! É única! ♥

  • Your email address will not be published. Required fields are marked *

    You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>